Moçambique:”SONHO”programa criado em 2002 pela Comunidade de Santo Egídio

Falta de acesso a cuidados para as pessoas HIV positivas tem sido bem documentada no continente Africano. Muitas iniciativas se esforçam para mostrar que as coisas poderiam melhorar com o esforço coletivo, e entre eles está o Resource Enhancement drogas contra a AIDS e Desnutrição(DREAM) do programa.

SONHO foi criado em 2002 pela Comunidade de Santo Egídio em Moçambique, e tem uma abordagem abrangente para combater o HIV / AIDS. Cristina Cannelli, líder do programa DREAM Guiné, explica a relação especial [que] com o continente Africano, em especial Moçambique:

"Cuidados grátis aqui".  Imagem por Sant'Egidio serviço de fotografia.“Cuidados grátis aqui”. Imagem por Sant’Egidio serviço de fotografia.

A comunidade de Sant’Egidio está profundamente ligada à África, em parte porque a própria comunidade está ancorada no continente. A comunidade está presente em 26 países Africano e tem mais de 20.000 membros. A relação especial com Moçambique existe porque em 1992, a comunidade de Sant’Egidio contribuiu para o acordo tratado de paz que pôs fim à guerra civil.É por isso que Moçambique foi a primeira escolha para a implementação do programa DREAM.

SONHO hoje está presente em Malawi, Tanzânia, Quénia, Guiné (Conakry), (Bissau) Guiné, Nigéria, Angola, República Democrática do Congo e Camarões. A base da filosofia do programa é:

SONHO … foi criado para atingir a excelência: excelência no tratamento e diagnóstico, em informatização. SONHO exige que padrões ocidentais ser adoptada também em África, o programa utiliza rotineiramente avaliação da carga viral, e introduziu Highly Active Anti-Retroviral Therapy (HAART)

Um sucesso SONHO

Os números absolutos da atividade SONHO em todo o continente são impressionantes: 150 mil pessoas tenham sido tratados, dos quais 25.000 foram com 15 anos ou mais jovens, 65 mil pacientes se beneficiaram com anti-retrovirais dos quais 6.000 eram crianças. DREAM também com sucesso interrompido verticais de mãe para filho de transmissão do HIV para 14.000 nascimentos de mães HIV positivas.

Desde o início do programa mais de 1.000.000 de pessoas se beneficiaram com o programa DREAM via educação em saúde, de filtragem de água, alimentos, redes de mosquito, programas de prevenção na televisão, rádio e local de trabalho. No total, os centros DREAM realizaram 1.300.000 consultas médicas, 276.000 testes de carga viral e 540.000 testes de CD4.

Comemorando a boa saúde das crianças para a mãe-filho do HIV centros de prevenção de transmissão.  Imagem cortesia da comunidade de Santo Egídio.Comemorando a boa saúde das crianças para a mãe-filho do HIV centros de prevenção de transmissão. Imagem cortesia da comunidade de Santo Egídio.

Para uma organização tão grande para executar corretamente em tantos países com diferentes línguas faladas, pessoal qualificado é uma obrigação, razão pela qual a comunidade já organizou 18 workshops por todo o continente para 4.000 profissionais de saúde. Equipes móveis de viagens para alcançar os pacientes mais isolados.

A fim de envolver as instituições locais, DREAM afirma que : Algumas dessas estruturas são operacionais graças à colaboração e acordos com centros de saúde locais que têm replicado o programa.

No entanto, os pacientes também estão contribuindo ativamente, comprometendo-se ativamente combate a pandemia do HIV, tornando-se voluntários:

Em cada centro DREAM(SONHO), pessoal médico e paramédico são acompanhadas por homens e mulheres locais que decidiram se comprometer a trabalhar para os pacientes que chegam aos nossos centros. Eles decidiram fazê-lo quando as suas próprias vidas eram notavelmente transformada depois que eles entraram em contato com nossos serviços.
Existem grupos relativamente grande de pessoas, e eles constituem um recurso indispensável para o sucesso do programa. A maioria, mas não todos, eles são doentes. Eles são nossos “activistas”.

Creative Commons License

Escrito por Abdoulaye Bah . Tradução: Lova Rakotomalala
21.09.2011· Versão de ImpressãoVersão para impressão

Esta entrada foi publicada em África, Ativismo, Comunidades rurais, CPLP, HIV, Moçambique com as tags , , . ligação permanente.